Presidência da República
Casa Civil
Subchefia para Assuntos Jurídicos

LEI Nº 12.863, DE 24 DE SETEMBRO DE 2013.

Mensagem de veto

Conversão da Medida Provisória nº 614, de 2013

Altera a Lei no 12.772, de 28 de dezembro de 2012, que dispõe sobre a estruturação do Plano de Carreiras e Cargos de Magistério Federal; altera as Leis nos 11.526, de 4 de outubro de 2007, 8.958, de 20 de dezembro de 1994, 11.892, de 29 de dezembro de 2008, 12.513, de 26 de outubro de 2011, 9.532, de 10 de dezembro de 1997, 91, de 28 de agosto de 1935, e 12.101, de 27 de novembro de 2009; revoga dispositivo da Lei no 12.550, de 15 de dezembro de 2011; e dá outras providências.

O VICE–PRESIDENTE DA REPÚBLICA, no  exercício  do  cargo  de  PRESIDENTE  DA  REPÚBLICA Faço saber que o Congresso Nacional decreta e eu sanciono a seguinte Lei:

Art. 1o  A Lei no 12.772, de 28 de dezembro de 2012, passa a vigorar com as seguintes alterações:

“Art. 1o  ..........................................................................

§ 1o  A Carreira de Magistério Superior é estruturada em classes A, B, C, D e E e respectivos níveis de vencimento na forma do Anexo I.

I - (revogado);

II - (revogado);

III - (revogado);

IV - (revogado); 

V - (revogado).

§ 2o  As classes da Carreira de Magistério Superior receberão as seguintes denominações de acordo com a titulação do ocupante do cargo:

I - Classe A, com as denominações de:

a) Professor Adjunto A, se portador do título de doutor;

b) Professor Assistente A, se portador do título de mestre; ou

c) Professor Auxiliar, se graduado ou portador de título de especialista;

II - Classe B, com a denominação de Professor Assistente;

III - Classe C, com a denominação de Professor Adjunto;

IV - Classe D, com a denominação de Professor Associado; e

V - Classe E, com a denominação de Professor Titular.

§ 3o  A Carreira de Magistério do Ensino Básico, Técnico e Tecnológico é composta das seguintes classes, observado o Anexo I:

I - D I;

II - D II;

III - D III;

IV - D IV; e

V - Titular.

§ 4o  Os Cargos Isolados do Plano de Carreiras e Cargos de Magistério Federal são estruturados em uma única classe e nível de vencimento.

§ 5o  O regime jurídico dos cargos do Plano de Carreiras e Cargos de Magistério Federal é o instituído pela Lei no 8.112, de 11 de dezembro de 1990, observadas as disposições desta Lei.

§ 6o  Os cargos efetivos das Carreiras e Cargos Isolados de que trata o caput integram os Quadros de Pessoal das Instituições Federais de Ensino subordinadas ou vinculadas ao Ministério da Educação e ao Ministério da Defesa que tenham por atividade-fim o desenvolvimento e aperfeiçoamento do ensino, pesquisa e extensão, ressalvados os cargos de que trata o § 11 do art. 108-A da Lei no 11.784, de 22 de setembro de 2008, que integram o Quadro de Pessoal do Ministério do Planejamento, Orçamento e Gestão.” (NR)

“Art. 4o  ...........................................……………………

Parágrafo único.  Os cargos vagos da Carreira de que trata o caput passam a integrar o Plano de Carreiras e Cargos de Magistério Federal, e o ingresso nos cargos deverá ocorrer na forma e condições dispostas nesta Lei.” (NR)

“Art. 8º  O ingresso na Carreira de Magistério Superior ocorrerá sempre no primeiro nível de vencimento da Classe A, mediante aprovação em concurso público de provas e títulos.

§ 1o  O concurso público de que trata o caput tem como requisito de ingresso o título de doutor na área exigida no concurso.

..............................................................................................

§ 3º  A IFE poderá dispensar, no edital do concurso, a exigência de título de doutor, substituindo-a pela de título de mestre, de especialista ou por diploma de graduação, quando se tratar de provimento para área de conhecimento ou em localidade com grave carência de detentores da titulação acadêmica de doutor, conforme decisão fundamentada de seu Conselho Superior.

§ 4o  (VETADO).” (NR)

“Art. 9o  .........................................................................

..............................................................................................

II - 10 (dez) anos de experiência ou de obtenção do título de doutor, ambos na área de conhecimento exigida no concurso, conforme disciplinado pelo Conselho Superior de cada IFE.

..............................................................................................

§ 3o  O concurso para o cargo isolado de Titular-Livre será realizado por comissão especial composta, no mínimo, por 75% (setenta e cinco por cento) de profissionais externos à IFE, nos termos de ato do Ministro de Estado da Educação.” (NR)

“Art. 10.  .......................................................................

.............................................................................................

§ 4o  (VETADO).” (NR)

“Art. 11.  .......................................................................

..............................................................................................

II - 10 (dez) anos de experiência ou de obtenção do título de doutor, ambos na área de conhecimento exigida no concurso, conforme disciplinado pelo Conselho Superior de cada IFE.

..............................................................................................

§ 3o  O concurso para o cargo isolado de Titular-Livre será realizado por comissão especial composta, no mínimo, por 75% (setenta e cinco por cento) de profissionais externos à IFE, nos termos de ato do Ministro de Estado da Educação.” (NR)

“Art. 12.  .....…………………........................................

.............................................................................................

§ 3o  ........…………………….........................................

I - para a Classe B, com denominação de Professor Assistente, ser aprovado em processo de avaliação de desempenho;

II - para a Classe C, com denominação de Professor Adjunto, ser aprovado em processo de avaliação de desempenho;

III - para a Classe D, com denominação de Professor Associado:

..............................................................................................

IV - para a Classe E, com denominação de Professor Titular:

..............................................................................................

§ 5o  O processo de avaliação para acesso à Classe E, com denominação de Titular, será realizado por comissão especial composta por, no mínimo, 75% (setenta e cinco por cento) de profissionais externos à IFE, nos termos de ato do Ministro de Estado da Educação.

...................................................................................” (NR)

Art. 13.  Os docentes aprovados no estágio probatório do respectivo cargo que atenderem os seguintes requisitos de titulação farão jus a processo de aceleração da promoção:

I - para o nível inicial da Classe B, com denominação de Professor Assistente, pela apresentação de titulação de mestre; e

II - para o nível inicial da Classe C, com denominação de Professor Adjunto, pela apresentação de titulação de doutor.

..................................................................................” (NR)

Art. 15.  Os docentes aprovados no estágio probatório do respectivo cargo que atenderem os seguintes requisitos de titulação farão jus a processo de aceleração da promoção:

..................................................................................” (NR)

“Art. 20.  ........................................................................

..............................................................................................

§ 4o  O professor, inclusive em regime de dedicação exclusiva, desde que não investido em cargo em comissão ou função de confiança, poderá:

I - participar dos órgãos de direção de fundação de apoio de que trata a Lei no 8.958, de 20 de dezembro de 1994, nos termos definidos pelo Conselho Superior da IFE, observado o cumprimento de sua jornada de trabalho e vedada a percepção de remuneração paga pela fundação de apoio; e

II - ser cedido a título especial, mediante deliberação do Conselho Superior da IFE, para ocupar cargo de dirigente máximo de fundação de apoio de que trata a Lei no 8.958, de 20 de dezembro de 1994, com ônus para o cessionário.” (NR)

“Art. 21.  .......................................................................

..............................................................................................

III - bolsas de ensino, pesquisa, extensão ou de estímulo à inovação pagas por agências oficiais de fomento ou organismos internacionais amparadas por ato, tratado ou convenção internacional;

..............................................................................................

VIII - (VETADO);

..............................................................................................

X - Função Comissionada de Coordenação de Curso - FCC, de que trata o art. 7o da Lei no 12.677, de 25 de junho de 2012;

XI - retribuição pecuniária, em caráter eventual, por trabalho prestado no âmbito de projetos institucionais de ensino, pesquisa e extensão, na forma da Lei no 8.958, de 20 de dezembro de 1994; e

XII - retribuição pecuniária por colaboração esporádica de natureza científica ou tecnológica em assuntos de especialidade do docente, inclusive em polos de inovação tecnológica, devidamente autorizada pela IFE de acordo com suas regras.

§ 1o  (VETADO).

..............................................................................................

§ 4o  As atividades de que tratam os incisos XI e XII do caput não excederão, computadas isoladamente ou em conjunto, a 120 h (cento e vinte horas) anuais, ressalvada a situação de excepcionalidade a ser justificada e previamente aprovada pelo Conselho Superior da IFE, que poderá autorizar o acréscimo de até 120 h (cento e vinte horas) exclusivamente para atividades de pesquisa, desenvolvimento e inovação.” (NR)

Art. 26.  Será instituída uma Comissão Permanente de Pessoal Docente - CPPD, eleita pelos seus pares, em cada IFE, que possua, em seus quadros, pessoal integrante do Plano de Carreiras e Cargos de Magistério Federal.

..................................................................................” (NR)

“Art. 30.  ........................................................................

I - participar de programa de pós-graduação stricto sensu ou de pós-doutorado, independentemente do tempo ocupado no cargo ou na instituição;

…................................................................................” (NR)

“Art. 34.  (VETADO).”

“Art. 35.  .......................................................................

I - ao Professor de que trata o caput que contar com no mínimo 17 (dezessete) anos de obtenção do título de doutor será concedido reposicionamento para a Classe D, com denominação de Professor Associado, nível 2;

II - ao Professor de que trata o caput que contar com no mínimo 19 (dezenove) anos de obtenção do título de doutor será concedido reposicionamento para a Classe D, com denominação de Professor Associado, nível 3; e

III - ao Professor de que trata o caput que contar com no mínimo 21 (vinte e um) anos de obtenção do título de doutor será concedido reposicionamento para a Classe D, com denominação de Professor Associado, nível 4.

...................................................................................” (NR)

Art. 2o  Os docentes concursados para cargo do Plano de Carreiras e Cargos de Magistério Federal, de que trata a Lei no 12.772, de 28 de dezembro de 2012, que tenham sido ou venham a ser nomeados serão enquadrados de acordo com o disposto nesta Lei.

Art. 3o  Os Anexos I, II, III e IV da Lei no 12.772, de 28 de dezembro de 2012, passam a vigorar com as alterações constantes dos Anexos I, II, III e IV desta Lei.

Art. 4o  A Lei no 11.526, de 4 de outubro de 2007, passa a vigorar com as seguintes alterações:

“Art. 2o  .........................................................................

§ 1o  O docente do Plano de Carreiras e Cargos de Magistério Federal, a que se refere a Lei no 12.772, de 28 de dezembro de 2012, submetido ao Regime de Dedicação Exclusiva poderá ocupar Cargo de Direção - CD ou Função Gratificada - FG, nas Instituições Federais de Ensino, sendo-lhe facultado optar, quando ocupante de CD, nos termos do inciso III do caput.

..............................................................................................

§ 4o  O docente a que se refere o § 1o cedido para Estados, Distrito Federal e Municípios para a ocupação de cargos em comissão especificados em regulamento do Poder Executivo federal poderá optar pela remuneração do cargo efetivo, caso em que perceberá o vencimento acrescido da vantagem relativa ao regime de dedicação exclusiva, cabendo o ônus da remuneração ao órgão ou entidade cessionária.

§ 5o  O docente a que se refere o § 1o manterá a remuneração do cargo efetivo, caso em que perceberá o vencimento acrescido da vantagem relativa ao regime de dedicação exclusiva, quando em cessão especial de que trata o art. 14 da Lei no 9.637, de 15 de maio de 1998, para organizações sociais qualificadas pelo Poder Executivo federal.” (NR)

Art. 5o  As alterações nos requisitos de acesso a cargos públicos realizadas por esta Lei não produzem efeitos para os concursos cujo edital tenha sido publicado até 15 de maio de 2013, ressalvada deliberação em contrário do Conselho Superior da IFE.

Art. 6o  A Lei no 8.958, de 20 de dezembro de 1994, passa a vigorar com as seguintes alterações:

“Art. 1o  As Instituições Federais de Ensino Superior - IFES e as demais Instituições Científicas e Tecnológicas - ICTs, de que trata a Lei no 10.973, de 2 de dezembro de 2004, poderão celebrar convênios e contratos, nos termos do inciso XIII do caput do art. 24 da Lei no 8.666, de 21 de junho de 1993, por prazo determinado, com fundações instituídas com a finalidade de apoiar projetos de ensino, pesquisa, extensão, desenvolvimento institucional, científico e tecnológico e estímulo à inovação, inclusive na gestão administrativa e financeira necessária à execução desses projetos.

...................................................................................” (NR)

“Art. 1o-A.  A Financiadora de Estudos e Projetos - FINEP, como secretaria executiva do Fundo Nacional de Desenvolvimento Científico e Tecnológico - FNDCT, o Conselho Nacional de Desenvolvimento Científico e Tecnológico - CNPq, as agências financeiras oficiais de fomento e empresas públicas ou sociedades de economia mista, suas subsidiárias ou controladas, poderão celebrar convênios e contratos, nos termos do inciso XIII do caput do art. 24 da Lei no 8.666, de 21 de junho de 1993, por prazo determinado, com as fundações de apoio, com finalidade de dar apoio às IFES e às demais ICTs, inclusive na gestão administrativa e financeira dos projetos mencionados no caput do art. 1o, com a anuência expressa das instituições apoiadas.” (NR)

“Art. 1o-B.  As organizações sociais e entidades privadas poderão realizar convênios e contratos, por prazo determinado, com as fundações de apoio, com a finalidade de dar apoio às IFES e às demais ICTs, inclusive na gestão administrativa e financeira dos projetos mencionados no caput do art. 1o, com a anuência expressa das instituições apoiadas.

Parágrafo único.  A celebração de convênios entre a IFES ou demais ICTs apoiadas, fundação de apoio, entidades privadas, empresas públicas ou sociedades de economia mista, suas subsidiárias ou controladas, e organizações sociais, para finalidades de pesquisa, desenvolvimento, estímulo e fomento à inovação, será realizada mediante critérios de habilitação das empresas, regulamentados em ato do Poder Executivo federal, não se aplicando nesses casos a legislação federal que institui normas para licitações e contratos da administração pública para a identificação e escolha das empresas convenentes.”

“Art. 1o-C.  Os convênios de que trata esta Lei serão regulamentados por ato do Poder Executivo federal.”

“Art. 2o  ........................................................................

Parágrafo único.  Em caso de renovação do credenciamento, prevista no inciso III do caput, o Conselho Superior ou o órgão competente da instituição federal a ser apoiada deverá se manifestar quanto ao cumprimento pela fundação de apoio das disposições contidas no art. 4o-A.” (NR)

“Art. 3o  Na execução de convênios, contratos, acordos e demais ajustes abrangidos por esta Lei, inclusive daqueles que envolvam recursos provenientes do poder público, as fundações de apoio adotarão regulamento específico de aquisições e contratações de obras e serviços, a ser editado por meio de ato do Poder Executivo federal.

I - (revogado);

II - (revogado);

III - (revogado);

IV - (revogado).

§ 1o  As fundações de apoio, com a anuência expressa das instituições apoiadas, poderão captar e receber diretamente os recursos financeiros necessários à formação e à execução dos projetos de pesquisa, desenvolvimento e inovação, sem ingresso na Conta Única do Tesouro Nacional.

§ 2o  As fundações de apoio não poderão:

I - contratar cônjuge, companheiro ou parente, em linha reta ou colateral, por consanguinidade ou afinidade, até o terceiro grau, de:

a) servidor das IFES e demais ICTs que atue na direção das respectivas fundações; e

b) ocupantes de cargos de direção superior das IFES e demais ICTs por elas apoiadas;

II - contratar, sem licitação, pessoa jurídica que tenha como proprietário, sócio ou cotista:

a) seu dirigente;

b) servidor das IFES e demais ICTs; e

c) cônjuge, companheiro ou parente em linha reta ou colateral, por consanguinidade ou afinidade, até o terceiro grau de seu dirigente ou de servidor das IFES e demais ICTs por elas apoiadas; e

III - utilizar recursos em finalidade diversa da prevista nos projetos de ensino, pesquisa e extensão e de desenvolvimento institucional, científico e tecnológico e de estímulo à inovação.” (NR)

“Art. 3o-A.  Na execução de convênios, contratos, acordos e demais ajustes na forma desta Lei, as fundações de apoio deverão:

I - prestar contas dos recursos aplicados aos entes financiadores;

II - submeter-se ao controle de gestão pelo órgão máximo da Instituição Federal de Ensino ou similar da entidade contratante; e

III - submeter-se ao controle finalístico pelo órgão de controle governamental competente.”

“Art. 4o  .........................................................................

..............................................................................................

§ 4o  Os servidores ocupantes de cargo em comissão ou função de confiança nas IFES e demais ICTs poderão desenvolver atividades de ensino, pesquisa e extensão no âmbito dos projetos apoiados pelas fundações de apoio com recebimento de bolsas.

§ 5o  É permitida a participação não remunerada de servidores das IFES e demais ICTs nos órgãos de direção de Fundações de Apoio, não lhes sendo aplicável o disposto no inciso X do caput do art. 117 da Lei no 8.112, de 11 de dezembro de 1990.

§ 6o  Não se aplica o disposto no § 5o aos servidores das IFES e demais ICTs investidos em cargo em comissão ou função de confiança.

§ 7o  Os servidores das IFES e demais ICTs somente poderão participar de atividades nas fundações de apoio quando não houver prejuízo ao cumprimento de sua jornada de trabalho na entidade de origem, ressalvada a hipótese de cessão especial prevista no inciso II do § 4o do art. 20 da Lei no 12.772, de 28 de dezembro de 2012.” (NR)

“Art. 4o-B.  As fundações de apoio poderão conceder bolsas de ensino, pesquisa e extensão e de estímulo à inovação aos estudantes de cursos técnicos, de graduação e pós-graduação e aos servidores vinculados a projetos institucionais, inclusive em rede, das IFES e demais ICTs apoiadas, na forma da regulamentação específica, observados os princípios referidos no art. 2o.” (NR)

“Art. 4o-C.  É assegurado o acesso dos órgãos e das entidades públicas concedentes ou contratantes e do Sistema de Controle Interno do Poder Executivo federal aos processos, aos documentos e às informações referentes aos recursos públicos recebidos pelas fundações de apoio enquadradas na situação prevista no art. 1o e aos locais de execução do objeto do contrato ou convênio.” (NR)

“Art. 4o-D.  A movimentação dos recursos dos projetos gerenciados pelas fundações de apoio deverá ser realizada exclusivamente por meio eletrônico, mediante crédito em conta corrente de titularidade dos fornecedores e prestadores de serviços devidamente identificados.

§ 1o  Poderão ser realizados, mediante justificativa circunstanciada e em caráter excepcional, saques para pagamento em dinheiro a pessoas físicas que não possuam conta bancária ou saques para atender a despesas de pequeno vulto, definidas em regulamento específico previsto no art. 3o desta Lei, adotando-se, em ambas as hipóteses, mecanismos que permitam a identificação do beneficiário final, devendo as informações sobre tais pagamentos constar em item específico da prestação de contas.

§ 2o  Os recursos provenientes de convênios, contratos, acordos e demais ajustes que envolvam recursos públicos gerenciados pelas fundações de apoio deverão ser mantidos em contas específicas abertas para cada projeto.

§ 3o  As fundações de apoio deverão garantir o controle contábil específico dos recursos aportados e utilizados em cada projeto, de forma a garantir o ressarcimento às IFES, previsto no art. 6o desta Lei.”

“Art. 6o  No cumprimento das finalidades referidas nesta Lei, poderão as fundações de apoio, por meio de instrumento legal próprio, utilizar-se de bens e serviços das IFES e demais ICTs apoiadas, pelo prazo necessário à elaboração e execução do projeto de ensino, pesquisa e extensão e de desenvolvimento institucional, científico e tecnológico e de estímulo à inovação, mediante ressarcimento previamente definido para cada projeto.

§ 1o  Nos projetos que envolvam risco tecnológico, para solução de problema técnico específico ou obtenção de produto ou processo inovador, o uso de bens e serviços das IFES ou demais ICTs poderá ser contabilizado como contrapartida da instituição ao projeto, mediante previsão contratual de participação da instituição nos ganhos econômicos dele derivados, na forma da Lei no 10.973, de 2 de dezembro de 2004.

§ 2o  Na hipótese de que trata o § 1o, o ressarcimento previsto no caput poderá ser dispensado, mediante justificativa circunstanciada constante no projeto a ser aprovado pelo Conselho Superior das IFES ou órgão competente nas demais ICTs.” (NR)

Art. 7o  A Lei no 11.892, de 29 de dezembro de 2008, passa a vigorar com as seguintes alterações:

“Art. 5o  .........................................................................

..............................................................................................

§ 6o  Os Institutos Federais poderão conceder bolsas de pesquisa, desenvolvimento, inovação e intercâmbio a alunos, docentes e pesquisadores externos ou de empresas, a serem regulamentadas por órgão técnico competente do Ministério da Educação.” (NR)

Art. 8o  A Lei no 12.513, de 26 de outubro de 2011, passa a vigorar com as seguintes alterações:

“Art. 4o  ........................................................................

§ 1o  A Bolsa-Formação Estudante será destinada aos beneficiários previstos no art. 2o para cursos de educação profissional técnica de nível médio, nas formas concomitante, integrada ou subsequente, e para cursos de formação de professores em nível médio na modalidade normal, nos termos definidos em ato do Ministro de Estado da Educação.

...................................................................................” (NR)

“Art. 5o  .......………………............................................

..............................................................................................

II - de educação profissional técnica de nível médio; e

III - de formação de professores em nível médio na modalidade normal.

...................................................................................” (NR)

Art. 9o  (VETADO).

Art. 10.  (VETADO).

Art. 11.  (VETADO).

Art. 12.  Esta Lei entra em vigor na data de sua publicação.

Art. 13.  Fica revogado o § 2o do art. 7o da Lei no 12.550, de 15 de dezembro de 2011.

Brasília, 24 de setembro de 2013; 192o da Independência e 125o da República.

MICHEL TEMER
José Eduardo Cardozo
Dyogo Henrique de Oliveira
José Henrique Paim Fernandes
Miriam Belchior
Luís Inácio Lucena Adams
 

Este texto não substitui o publicado no DOU de 25.9.2013

ANEXO I

(Anexo I à Lei no 12.772, de 28 de dezembro de 2012)

“ESTRUTURA DO PLANO DE CARREIRAS E CARGOS DE MAGISTÉRIO FEDERAL 

a) Carreira de Magistério Superior 

CARGO

CLASSE

DENOMINAÇÃO

NÍVEL

 

E

TITULAR

ÚNICO

 

 

 

4

 

D

Associado

3

 

 

 

2

 

 

 

1

Professor de Magistério

 

 

4

Superior

C

Adjunto

3

 

 

 

2

 

 

 

1

 

B

Assistente

2

 

 

 

1

 

 

Adjunto-A – se Doutor

2

 

A

Assistente-A – se Mestre

 

 

 

Auxiliar – se Graduado ou Especialista

1

.....................................................................................

ANEXO II

(Anexo II à Lei no 12.772, de 28 de dezembro de 2012)

“TABELA DE CORRELAÇÃO DO PLANO DE CARREIRAS E CARGOS DE MAGISTÉRIO FEDERAL 

a) Carreira de Magistério Superior 

SITUAÇÃO ATUAL

SITUAÇÃO NOVA

CARREIRA

CLASSE

NÍVEL

NÍVEL

CLASSE

DENOMINAÇÃO

CARREIRA

 

Titular

1

1

E

Titular

 

 

 

4

4

 

 

 

 

Associado

3

3

D

Associado

 

 

 

2

2

 

 

 

 

 

1

1

 

 

Carreira de

Carreira de

 

4

4

 

 

Magistério

Magistério

Adjunto

3

3

C

Adjunto

Superior do

Superior do

 

2

2

 

 

Plano de

PUCRCE, de que

 

1

1

 

 

Carreiras e

trata a Lei no 7.596,

 

4

2

 

 

Cargos de

de 10 de abril de

Assistente

3

 

B

Assistente

Magistério

1987

 

2

1

 

 

Federal

 

 

1

 

 

 

 

 

 

4

2

 

Adjunto-A se Doutor

 

 

Auxiliar

3

 

A

Assistente-A – se Mestre

 

 

 

2

1

 

Auxiliar – se Graduado ou

 

 

 

1

 

 

Especialista

 

...................................................................................”

ANEXO III

(Anexo III à Lei no 12.772, de 28 de dezembro de 2012

“VALORES DO VENCIMENTO BÁSICO DO PLANO DE CARREIRAS E CARGOS DE MAGISTÉRIO FEDERAL 

a) Efeitos financeiros a partir de 1o de março de 2013

Tabela I - Carreira de Magistério Superior 

 

 

 

VENCIMENTO BÁSICO EM R$

CLASSE

DENOMINAÇÃO

NÍVEL

REGIME DE TRABALHO

 

 

 

20 HORAS

40 HORAS

DEDICAÇÃO

 

 

 

 

 

EXCLUSIVA

E

Titular

1

2.584,28

3.937,63

6.042,34

 

 

4

2.516,23

3.802,56

5.834,89

D

Associado

3

2.483,09

3.737,02

5.733,71

 

 

2

2.450,89

3.673,36

5.635,45

 

 

1

2.447,10

3.666,51

5.625,24

 

 

4

2.224,05

3.224,68

4.304,72

C

Adjunto

3

2.187,19

3.159,83

4.205,81

 

 

2

2.151,22

3.096,70

4.109,39

 

 

1

2.039,91

2.959,02

4.015,41

B

Assistente

2

1.988,85

2.858,53

3.849,74

 

 

1

1.963,39

2.809,26

3.762,54

 

Adjunto-A - se Doutor

2

1.938,65

2.761,39

3.677,52

A

Assistente-A - se Mestre

 

 

 

 

 

Auxiliar - se Graduado ou

1

1.914,58

2.714,89

3.594,57

 

Especialista

 

 

 

 

..................................................................................... 

b) Efeitos financeiros a partir de 1o de março de 2014

Tabela I - Carreira de Magistério Superior 

 

 

 

VENCIMENTO BÁSICO EM R$

CLASSE

DENOMINAÇÃO

NÍVEL

REGIME DE TRABALHO

 

 

 

20 HORAS

40 HORAS

DEDICAÇÃO

 

 

 

 

 

EXCLUSIVA

E

Titular

1

2.801,70

4.146,71

6.363,17

 

 

4

2.708,47

4.004,47

6.144,71

D

Associado

3

2.662,87

3.935,45

6.038,15

 

 

2

2.618,31

3.868,40

5.933,80

 

 

1

2.588,51

3.861,19

5.923,92

 

 

4

2.357,53

3.392,96

4.704,71

C

Adjunto

3

2.326,77

3.343,15

4.629,98

 

 

2

2.296,57

3.269,38

4.556,75

 

 

1

2.193,83

3.118,50

4.484,99

B

Assistente

2

2.093,40

3.010,32

4.176,95

 

 

1

2.069,79

2.938,37

4.111,05

 

Adjunto-A - se Doutor

2

1.999,75

2.834,24

3.865,83

A

Assistente-A - se Mestre

 

 

 

 

 

Auxiliar - se Graduado ou

1

1.966,67

2.764,45

3.804,29

 

Especialista

 

 

 

 

.....................................................................................

c) Efeitos Financeiros a partir de 1o de março de 2015

Tabela I - Carreira de Magistério Superior 

 

 

 

VENCIMENTO BÁSICO EM R$

CLASSE

DENOMINAÇÃO

NÍVEL

REGIME DE TRABALHO

 

 

 

20 HORAS

40 HORAS

DEDICAÇÃO

 

 

 

 

 

EXCLUSIVA

E

Titular

1

3.019,13

4.355,79

6.684,00

 

 

4

2.900,70

4.206,37

6.454,52

D

Associado

3

2.842,65

4.133,87

6.342,60

 

 

2

2.785,73

4.063,45

6.232,15

 

 

1

2.729,93

4.055,87

6.222,60

 

 

4

2.491,01

3.561,24

5.104,69

C

Adjunto

3

2.466,35

3.526,47

5.054,15

 

 

2

2.441,93

3.442,05

5.004,11

 

 

1

2.347,75

3.277,97

4.954,56

B

Assistente

2

2.197,96

3.162,10

4.504,15

 

 

1

2.176,19

3.067,48

4.459,55

 

Adjunto-A – se Doutor

2

2.060,86

2.907,08

4.054,14

A

Assistente-A – se Mestre

 

 

 

 

 

Auxiliar – se Graduado ou

1

2.018,77

2.814,01

4.014,00

 

Especialista

 

 

 

 

.................................................................................”

ANEXO IV

(Anexo IV à Lei no 12.772, de 28 de dezembro de 2012)

“RETRIBUIÇÃO POR TITULAÇÃO DO PLANO DE CARREIRAS E CARGOS DE MAGISTÉRIO

FEDERAL - RT 

a) Efeitos Financeiros a partir de 1o de março de 2013

Tabela I - Carreira de Magistério Superior - Valores da RT para o Regime de 20 horas semanais 

 

 

 

RETRIBUIÇÃO POR TITULAÇÃO EM R$

CLASSE

DENOM.

NÍVEL

APERFEIÇO-

ESPECIALIZAÇÃO

MESTRADO

DOUTORADO

 

 

 

AMENTO

 

 

 

E

Titular

1

198,50

441,18

921,92

1.533,03

 

 

4

197,20

436,80

812,19

1.351,17

D

Associado

3

195,50

415,80

770,83

1.226,87

 

 

2

194,10

405,26

757,03

1.157,96

 

 

1

192,71

401,23

746,99

1.125,43

 

 

4

187,05

229,85

546,97

1.000,49

C

Adjunto

3

175,12

219,38

529,49

972,47

 

 

2

167,52

207,67

513,27

948,13

 

 

1

82,29

197,48

497,32

917,13

B

Assistente

2

74,43

183,76

472,55

837,82

 

 

1

73,58

173,22

457,74

823,54

 

Adjunto-A – se Doutor

2

72,59

161,35

443,28

802,60

A

Assistente-A - se Mestre

 

 

 

 

 

 

Auxiliar - se Graduado

1

69,82

152,35

428,07

785,93

 

ou Especialista

 

 

 

 

 

Tabela II - Carreira de Magistério Superior - Valores da RT para o Regime de 40 horas semanais 

 

 

 

RETRIBUIÇÃO POR TITULAÇÃO EM R$

CLASSE

DENOM.

NÍVEL

APERFEIÇOA-

ESPECIALIZA-

MESTRADO

DOUTORADO

 

 

 

MENTO

ÇÃO

 

 

E

Titular

1

211,64

528,22

1.387,22

2.756,08

 

 

4

186,80

525,40

1.220,66

2.515,50

D

Associado

3

184,50

523,10

1.199,45

2.436,53

 

 

2

182,85

520,50

1.195,44

2.385,67

 

 

1

181,78

518,19

1.192,68

2.364,04

 

 

4

146,85

430,10

1.030,63

2.301,31

C

Adjunto

3

143,82

416,93

997,75

2.238,26

 

 

2

140,87

403,96

970,44

2.181,00

 

 

1

137,99

391,29

941,93

2.123,32

B

Assistente

2

131,60

353,14

918,68

2.041,45

 

 

1

126,94

330,22

905,31

1.995,64

 

Adjunto-A - se Doutor

2

118,09

294,46

867,31

1.965,32

A

Assistente-A - se Mestre

 

 

 

 

 

 

Auxiliar - se Graduado

1

110,22

253,13

835,05

1.934,76

 

ou Especialista

 

 

 

 

 

Tabela III - Carreira de Magistério Superior - Valores da RT para o Regime de Dedicação Exclusiva

 

 

 

RETRIBUIÇÃO POR TITULAÇÃO EM R$

CLASSE

DENOM.

NÍVEL

APERFEIÇOA-

ESPECIALIZA-

MESTRADO

DOUTORADO

 

 

 

MENTO

ÇÃO

 

 

E

Titular

1

575,20

994,60

3.293,40

7.747,80

 

 

4

553,89

976,50

3.155,10

7.619,34

D

Associado

3

535,96

961,25

3.154,25

7.322,48

 

 

2

522,60

945,87

3.153,36

7.204,30

 

 

1

511,60

933,12

3.151,25

6.987,79

 

 

4

332,51

679,30

2.501,25

4.994,99

C

Adjunto

3

322,76

641,40

2.403,19

4.860,74

 

 

2

314,89

602,82

2.332,03

4.730,14

 

 

1

307,26

568,27

2.261,88

4.603,12

B

Assistente

2

292,85

533,95

2.008,63

4.486,67

 

 

1

285,84

519,87

1.945,10

4.473,70

 

Adjunto-A - se Doutor

2

279,05

507,80

1.916,09

4.465,66

A

Assistente-A - se Mestre

 

 

 

 

 

 

Auxiliar - se Graduado

1

272,46

496,08

1.871,98

4.455,20

 

ou Especialista

 

 

 

 

 

...................................................................................

b) Efeitos Financeiros a partir de 1o de março de 2014 

Tabela I - Carreira de Magistério Superior - Valores da RT para o Regime de 20 horas semanais 

 

 

 

RETRIBUIÇÃO POR TITULAÇÃO EM R$

CLASSE

DENOM.

NÍVEL

APERFEIÇOA-

ESPECIALIZA-

MESTRADO

DOUTORADO

 

 

 

MENTO

ÇÃO

 

 

E

Titular

1

198,50

441,18

921,92

1.533,03

 

 

4

197,20

436,80

812,19

1.351,17

D

Associado

3

195,50

415,80

770,83

1.226,87

 

 

2

194,10

405,26

757,03

1.157,96

 

 

1

192,71

401,23

746,99

1.145,43

 

 

4

187,05

229,85

566,97

1.030,49

C

Adjunto

3

175,12

219,38

529,49

1.002,47

 

 

2

167,52

207,67

513,27

968,13

 

 

1

82,29

197,48

497,32

917,13

B

Assistente

2

74,43

183,76

487,55

877,82

 

 

1

73,58

173,22

457,74

823,54

 

Adjunto-A - se Doutor

2

72,59

161,35

443,28

802,60

A

Assistente-A - se Mestre

 

 

 

 

 

 

Auxiliar - se Graduado

1

69,82

152,35

428,07

785,93

 

ou Especialista

 

 

 

 

 

 Tabela II - Carreira de Magistério Superior - Valores da RT para o Regime de 40 horas semanais 

 

 

 

RETRIBUIÇÃO POR TITULAÇÃO EM R$

CLASSE

DENOM.

NÍVEL

APERFEIÇOA

ESPECIALIZA-

MESTRADO

DOUTORADO

 

 

 

MENTO

ÇÃO

 

 

E

Titular

1

211,64

547,75

1.387,22

2.906,08

 

 

4

205,85

546,95

1.220,66

2.595,50

D

Associado

3

204,15

545,85

1.199,45

2.536,53

 

 

2

202,85

544,25

1.195,44

2.520,67

 

 

1

201,78

543,19

1.192,68

2.510,25

 

 

4

146,85

430,10

1.070,63

2.450,68

C

Adjunto

3

143,82

416,93

997,75

2.315,20

 

 

2

140,87

403,96

970,44

2.285,87

 

 

1

137,99

391,29

941,93

2.189,50

B

Assistente

2

131,60

353,14

918,68

2.111,45

 

 

1

126,94

330,22

905,31

2.025,64

 

Adjunto-A - se Doutor

2

118,09

294, 46

867,31

1.965,32

A

Assistente-A - se Mestre

 

 

 

 

 

 

Auxiliar - se Graduado

1

110,22

253,13

835,05

1.934,76

 

ou Especialista

 

 

 

 

 

Tabela III - Carreira de Magistério Superior - Valores da RT para o Regime de Dedicação Exclusiva

 

 

 

RETRIBUIÇÃO POR TITULAÇÃO EM R$

CLASSE

DENOM.

NÍVEL

APERFEIÇO-

ESPECIALIZA-

MESTRADO

DOUTORADO

 

 

 

AMENTO

ÇÃO

 

 

E

Titular

1

838,46

1.427,12

3.293,40

9.592,90

 

 

4

656,77

1.106,48

3.155,10

8.914,38

D

Associado

3

653,42

1.079,36

3.154,25

8.499,36

 

 

2

650,95

1.052,98

3.153,36

8.076,97

 

 

1

563,78

997,67

3.151,25

7.680,58

 

 

4

462,05

803,71

2.501,25

5.668,86

C

Adjunto

3

438,29

771,14

2.403,19

5.430,55

 

 

2

413,36

749,12

2.332,03

5.203,58

 

 

1

401,09

716,91

2.261,88

5.051,87

B

Assistente

2

377,95

711,25

2.035,40

4.651,67

 

 

1

375,93

659,70

2.020,25

4.628,98

 

Adjunto-A - se Doutor

2

373,14

635,66

2.016,09

4.614,91

A

Assistente-A - se Mestre

 

 

 

 

 

 

Auxiliar - se Graduado

1

351,49

608,22

1.931,98

4.540,35

 

ou Especialista

 

 

 

 

 

...................................................................................

c) Efeitos Financeiros a partir de 1o de março de 2015

Tabela I - Carreira de Magistério Superior - Valores da RT para o Regime de 20 horas semanais 

 

 

 

RETRIBUIÇÃO POR TITULAÇÃO EM R$

CLASSE

DENOM.

NÍVEL

APERFEIÇOA-

ESPECIALIZA-

MESTRADO

DOUTORADO

 

 

 

MENTO

ÇÃO

 

 

E

Titular

1

211,34

571,89

1.177,46

2.022,81

 

 

4

210,57

562,81

905,74

1.556,01

D

Associado

3

205,83

556,89

879,36

1.510,69

 

 

2

201,24

543,45

853,74

1.466,69

 

 

1

196,77

535,58

828,88

1.423,97

 

 

4

187,44

230,05

637,60

1.095,36

C

Adjunto

3

175,17

220,50

595,89

1.023,70

 

 

2

168,13

208,10

556,90

1.007,89

 

 

1

97,05

197,75

540,68

997,13

B

Assistente

2

92,42

193,50

514,94

989,55

 

 

1

92,06

173,70

512,88

971,36

 

Adjunto-A - se Doutor

2

91,33

164,39

508,81

968,99

A

Assistente-A - se Mestre

 

 

 

 

 

 

Auxiliar - se Graduado

1

86,16

155,08

480,01

964,82

 

ou Especialista

 

 

 

 

 

Tabela II - Carreira de Magistério Superior - Valores da RT para o Regime de 40 horas semanais

 

 

 

RETRIBUIÇÃO POR TITULAÇÃO EM R$

CLASSE

DENOM.

NÍVEL

APERFEIÇOA-

ESPECIALIZA-

MESTRADO

DOUTORADO

 

 

 

MENTO

ÇÃO

 

 

E

Titular

1

265,75

614,97

1.476,87

3.503,82

 

 

4

264,25

613,97

1.294,36

2.997,68

D

Associado

3

259,69

612,37

1.242,33

2.846,85

 

 

2

247,75

611,77

1.233,26

2.691,05

 

 

1

219,46

587,98

1.227,34

2.687,96

 

 

4

208,67

521,68

1.222,23

2.682,95

C

Adjunto

3

204,58

511,46

1.198,27

2.630,34

 

 

2

200,57

501,43

1.174,77

2.578,77

 

 

1

196,64

491,60

1.151,74

2.528,20

B

Assistente

2

192,78

431,96

1.129,15

2.478,63

 

 

1

190,87

427,18

1.117,97

2.454,09

 

Adjunto-A - se Doutor

2

178,39

395,97

1.044,84

2.330,79

A

Assistente-A - se Mestre

 

 

 

 

 

 

Auxiliar - se Graduado

1

168,29

370,72

985,69

2.329,40

 

ou Especialista

 

 

 

 

 

Tabela III - Carreira de Magistério Superior - Valores da RT para o Regime de Dedicação Exclusiva

 

 

 

RETRIBUIÇÃO POR TITULAÇÃO EM R$

CLASSE

DENOM.

NÍVEL

APERFEIÇOA-

ESPECIALIZA-

MESTRADO

DOUTORADO

 

 

 

MENTO

ÇÃO

 

 

E

Titular

1

937,46

1.495,39

3.628,48

10.373,74

 

 

4

739,64

1.236,45

3.288,57

9.009,93

D

Associado

3

706,88

1.197,47

3.154,25

8.512,98

 

 

2

683,30

1.160,08

3.153,36

8.085,35

 

 

1

565,95

1.032,22

3.151,25

7.692,01

 

 

4

466,36

812,88

2.501,25

5.847,50

C

Adjunto

3

439,97

781,02

2.403,19

5.516,51

 

 

2

415,06

772,66

2.332,03

5.204,25

 

 

1

402,97

717,60

2.261,88

5.052,67

B

Assistente

2

380,16

715,66

2.035,40

4.816,67

 

 

1

377,15

666,66

2.020,25

4.784,25

 

Adjunto-A - se Doutor

2

374,15

660,44

2.016,09

4.764,16

A

Assistente-A - se Mestre

 

 

 

 

 

 

Auxiliar - se Graduado

1

352,98

616,83

1.931,98

4.625,50

 

ou Especialista

 

 

 

 

 

...................................................................................”

*