Brastra.gif (4376 bytes)

Presidência da República
Casa Civil
Subchefia para Assuntos Jurídicos

DECRETO Nº 5.580, DE 10 DE NOVEMBRO DE 2005.

Revogado pelo Decreto nº 7.133, de 2010.

Texto para impressão.

Regulamenta a Gratificação de Desempenho de Atividade de Reforma Agrária - GDARA de que trata a Lei no 11.090, de 7 de janeiro de 2005.

        O PRESIDENTE DA REPÚBLICA, no uso das atribuições que lhe confere o art. 84, incisos IV e VI, alínea "a", da Constituição, e tendo em vista o disposto nos arts. 15 a 19 da Lei no 11.090, de 7 de janeiro de 2005, e o art. 7o da Lei no 11.034, de 22 de dezembro de 2004,

        DECRETA:

        Art. 1o  A Gratificação de Desempenho de Atividade de Reforma Agrária - GDARA, instituída pelo art. 15 da Lei no 11.090, de 7 de janeiro de 2005, é devida aos ocupantes dos cargos do Plano de Carreira dos Cargos de Reforma e Desenvolvimento Agrário, que se encontrem no desempenho de atividades inerentes às atribuições do cargo e em exercício no Instituto Nacional de Colonização e Reforma Agrária - INCRA.

        Art. 2o  Para efeito de aplicação do disposto neste Decreto, ficam definidos os seguintes termos:

        I - unidade de avaliação: o INCRA ou um subconjunto de unidades administrativas, com no mínimo dez servidores em exercício que façam jus à GDARA, conforme definido em ato do Presidente do INCRA, a partir de critérios geográficos, de hierarquia organizacional ou de natureza de atividade;

        II - grupo de avaliação: conjunto de servidores ocupantes de cargos de mesmo nível de escolaridade, que faz jus à GDARA, em exercício na mesma unidade de avaliação; e

        III - ciclo de avaliação: período para realização de avaliação, com vistas a aferir o desempenho institucional do INCRA e o desempenho individual dos servidores que façam jus à GDARA.

        Art. 3o  A GDARA tem por finalidade incentivar a melhoria da qualidade e da produtividade nas ações do INCRA e será concedida de acordo com os resultados das avaliações de desempenho institucional e individual.

        § 1o  A avaliação de desempenho institucional visa a aferir o desempenho coletivo no alcance dos objetivos organizacionais, podendo considerar projetos e atividades prioritárias e condições especiais de trabalho, além de outras características do INCRA.

        § 2o  A avaliação de desempenho individual visa a aferir o desempenho do servidor no exercício das atribuições do cargo, com foco na contribuição individual, para o cumprimento dos objetivos organizacionais.

        Art. 4o A GDARA terá como limites:

        I - máximo, cem pontos por servidor; e

        II - mínimo, dez pontos por servidor.

        Parágrafo único. A pontuação referente à GDARA está assim distribuída:

        I - até vinte pontos percentuais de seu limite máximo serão atribuídos em função dos resultados obtidos na avaliação de desempenho institucional; e

        II - até oitenta pontos percentuais de seu limite máximo serão atribuídos em função dos resultados obtidos na avaliação de desempenho individual.

        Art. 5o  O INCRA disporá, mensalmente, de um limite global de pontuação correspondente a oitenta vezes o número de servidores ativos, por nível, para ser atribuído aos servidores do Plano de Carreira dos Cargos de Reforma e Desenvolvimento Agrário que fazem jus à GDARA, em exercício no INCRA.

        Parágrafo único.  Em decorrência do disposto no caput deste artigo e no inciso I do parágrafo único do art. 4o, o limite global de pontos de que dispõe cada unidade de avaliação para atribuir aos servidores, em função dos resultados obtidos na avaliação individual, corresponderá a sessenta vezes o número de servidores ativos, por nível, que fazem jus à GDARA, em exercício na unidade.

        Art. 6o  As metas de desempenho institucional a serem aferidas, semestralmente, para fins de pagamento da GDARA, serão fixadas anualmente, em ato do Presidente do INCRA, e publicadas antes do início do ciclo de avaliação.

        § 1o  As metas de desempenho institucional deverão ser fixadas levando-se em consideração as metas do plano plurianual, os projetos e as atividades prioritárias, as condições especiais de trabalho e as características específicas do INCRA, decorrentes da sua localização e distribuição espacial e da natureza das atividades desenvolvidas.

        § 2o  As metas a que se refere o caput poderão ser revistas na superveniência de fatores que tenham influência significativa na sua consecução.

        § 3o  O ato a que se refere o caput poderá, para fins de operacionalização, detalhar as metas para cada unidade de avaliação, desde que o resultado deste detalhamento seja compatível com o conjunto de metas institucionais fixadas para o INCRA.

        § 4o  A pontuação a ser atribuída a cada servidor em função do percentual de alcance das metas de desempenho institucional é a constante do Anexo a este Decreto.

        § 5o  No primeiro ciclo de avaliação, poderá ser dispensada a fixação de metas para o período, sendo atribuído aos servidores o valor equivalente a cinco pontos, a título de avaliação institucional.

        Art. 7o  Para efeito de pagamento da GDARA, os resultados da avaliação de desempenho individual deverão ser expressos em escala que observe os seguintes parâmetros:

        I - mínimo de dez e máximo de oitenta pontos;

        II - média aritmética menor ou igual a sessenta pontos; e

        III - desvio padrão maior ou igual a cinco pontos.

        Art. 8o  O valor a ser pago a título de GDARA será calculado multiplicando-se o somatório dos pontos auferidos nas avaliações de desempenho institucional e individual pelo valor do ponto fixado no Anexo V da Lei no 11.090, de 2005.

        Art. 9o  Os critérios e procedimentos específicos de atribuição da GDARA serão estabelecidos em ato do Presidente do INCRA, no prazo de trinta dias, contados da data de publicação deste Decreto.

        Parágrafo único. O ato a que se refere o caput deverá conter:

        I - relação das unidades de avaliação;

        II - identificação do responsável pela observância dos critérios e procedimentos gerais e específicos de avaliação de desempenho, em cada unidade de avaliação;

        III - os fatores a serem aferidos na avaliação de desempenho individual;

        IV - os indicadores de desempenho a serem considerados para cada fator;

        V - o peso relativo de cada fator;

        VI - a metodologia de avaliação a ser utilizada, abrangendo os procedimentos que comporão o processo de avaliação, a seqüência em que serão desenvolvidos e os responsáveis pela sua execução; e

        VII - os procedimentos relativos ao encaminhamento de recursos por parte do servidor avaliado.

        Art. 10.  O ciclo de avaliação regular terá a duração de seis meses e ensejará o pagamento da GDARA em valor calculado conforme disposto no art. 8o, por igual período, a partir do segundo mês subseqüente ao término do ciclo.

        § 1o  Até o início dos efeitos financeiros do primeiro ciclo de avaliação, os servidores perceberão, a título de GDARA, o valor correspondente a sessenta pontos.

        § 2o  O servidor que tiver permanecido em exercício por período inferior a cinqüenta por cento no decorrer de um ciclo de avaliação não será avaliado individualmente, devendo ser observado, para fins de pagamento da GDARA, o disposto nos arts. 12 e 13.

        Art. 11.  O primeiro ciclo de avaliação terá início na data de publicação do ato a que se refere o art. 9o e poderá ter duração inferior à estabelecida no art. 10.

        § 1o  Na hipótese de aplicação do disposto no caput, os efeitos financeiros do primeiro ciclo de avaliação serão estendidos até o mês anterior ao de início de pagamento do ciclo subseqüente.

        § 2o  Após o processamento dos resultados da avaliação de desempenho do primeiro ciclo de avaliação do INCRA, as diferenças apuradas em relação ao valor correspondente a sessenta pontos, pagas a maior ou a menor, a partir da data de publicação do ato a que se refere o art. 9o, serão compensadas no mês subseqüente.

        Art. 12.  Até que seja processada a primeira avaliação de desempenho individual, o servidor recém-nomeado para cargo efetivo e o que tenha retornado de licença sem vencimento ou de cessão sem direito à percepção da GDARA perceberão a referida gratificação, após a entrada em exercício no INCRA, no valor correspondente à pontuação referente à avaliação institucional do período, acrescida de quarenta pontos, relativos à avaliação de desempenho individual.

        Art. 13.  Nos afastamentos e licenças, com direito a remuneração, o servidor continuará percebendo a GDARA no valor correspondente à última pontuação obtida, até o início dos efeitos financeiros de sua primeira avaliação após o retorno.

        Parágrafo único. O disposto no caput não se aplica aos casos de cessão.

        Art. 14.  O servidor que não permanecer em exercício na mesma unidade de avaliação durante período igual ou superior a cinqüenta por cento do ciclo de avaliação integral será avaliado na unidade em que tiver permanecido por mais tempo no período.

        Art. 15.  Os servidores a que se refere o art. 1o, ocupantes de cargos comissionados, farão jus à GDARA, em conformidade com o nível do cargo efetivo, observado o disposto no § 1o do art. 10, nas seguintes condições:

        I - ocupantes de cargos comissionados do Grupo-Direção e Assessoramento Superiores - DAS 1 a DAS 4 perceberão a GDARA em valor equivalente a cinco vezes a pontuação atribuída a título de avaliação institucional do INCRA; e

        II - ocupantes de cargos comissionados de Natureza Especial, DAS 6 ou DAS 5 perceberão a GDARA em valor correspondente à pontuação máxima.

        § 1o  No primeiro ciclo de avaliação, caso não haja fixação de metas para o período, será atribuído aos servidores referidos no inciso I o valor equivalente a cinco pontos a título de avaliação institucional e sessenta e cinco pontos a título de avaliação individual.

        § 2o  O servidor exonerado de cargo em comissão será avaliado individualmente, no ciclo de avaliação, se tiver permanecido por período igual ou superior a cinqüenta por cento do ciclo de avaliação na nova situação.

        Art. 16.  O servidor ocupante do cargo a que se refere o art. 1o, que não se encontre na situação ali descrita, somente fará jus à GDARA, nas seguintes condições:

        I - quando cedido à Presidência da República ou ao Ministério do Desenvolvimento Agrário, a GDARA será calculada com base nas regras válidas para os servidores em exercício no INCRA;

        II - quando cedido a órgãos ou entidades do Governo Federal distintos dos indicados no inciso I, da seguinte forma:

        a) o servidor investido em cargo em comissão de Natureza Especial, DAS 6, DAS 5 ou equivalentes perceberá a GDARA no valor correspondente à pontuação máxima; e

        b) o servidor investido em cargo em comissão DAS 4 ou equivalente perceberá a GDARA no valor correspondente a setenta e cinco pontos.

        § 1o  A avaliação institucional do servidor referido no inciso I corresponderá à mesma pontuação a que faria jus, se em exercício no INCRA.

        § 2o O pagamento da GDARA aos servidores referidos neste artigo deverá observar o disposto no § 1o do art. 10.

        Art. 17. Os servidores de que tratam os arts. 12, 13, incisos I e II do art. 15 e incisos I e II do art. 16 não serão incluídos no cômputo do limite global de pontos de que dispõe o INCRA para ser distribuído aos seus servidores nem para fins do cálculo da média e do desvio padrão a que se referem os incisos II e III do art. 7o.

        Art. 18.  A GDARA será reduzida proporcionalmente no caso de redução da jornada de trabalho.

        Art. 19.  Será instituído comitê de avaliação de desempenho, no âmbito do INCRA, com a finalidade de julgar os recursos interpostos quanto ao resultado da avaliação individual.

        § 1o  A composição e a forma de funcionamento do comitê serão definidas em ato do Presidente do INCRA, devendo contemplar a participação de servidores.

        § 2o  Cabe, ainda, ao comitê de avaliação de desempenho acompanhar o processo de avaliação de desempenho e propor as alterações consideradas necessárias para sua melhor operacionalização em relação aos critérios e procedimentos estabelecidos para a avaliação de desempenho individual, observado o disposto neste Decreto.

        Art. 20. Este Decreto entra em vigor na data de sua publicação.

        Brasília, 10 de novembro de 2005; 184o da Independência e 117o da República.

LUIZ INÁCIO LULA DA SILVA
Paulo Bernardo Silva
Guilherme Cassel

Este texto não substitui o publicado no DOU de 11.11.2005

A N E X O

PERCENTUAL DE ALCANCE DAS METAS DE DESEMPENHO INSTITUCIONAL

PONTUAÇÃO A SER ATRIBUÍDA AOS SERVIDORES

A partir de 80%

20 pontos

Igual ou superior a 65% e inferior a 80%

18 pontos

Igual ou superior a 50% e inferior a 65%

15 pontos

Igual ou superior a 35% e inferior a 50%

12 pontos

Abaixo de 35%

0 pontos